Marcelo Pinheiro apresenta: Quintessência – Música Atemporal Brasileira #2

Quintessência #2 apresenta ‘Swing, Samba-Rock Brasil’

Nesta segunda edição do programa Quintessência – Música Atemporal Brasileira, por meio da íntegra de uma compilação independente, Marcelo Pinheiro oferece aos ouvintes da Dublab Brasil um documento fonográfico que atesta a herança cultural dos bailes black consolidados no eixo Rio/São Paulo durante os anos 1960, 1970 e 1980.

Difundidos no Rio de Janeiro com o poder aglutinador do Movimento Black Rio, na capital paulista os bailes massivamente frequentados pela juventude negra ganharam força de difusão graças ao advento de uma nova dança de salão, o samba-rock.

Tanto no Rio quanto em São Paulo, a adesão orgânica dessas manifestações periféricas de altivez negra fez surgir também uma subcultura de produção fonográfica independente, com o lançamento de
um sem-número de coletâneas prensadas em vinil por equipes de som e de produtores como Soul Grand Prix, Dynamic Soul, Baile da Pesada, Som de Valente, Luizinho Disc Jockey Soul, Deni Mancha e Mr. Funky Santos.

Na virada do século, com a reafirmação da importância dessa cultura dos bailes black explorada por novos ouvintes e frequentadores de bailes revisionistas como os do saudoso clube paulistano Jive e as festas de Nostalgia espalhadas pelos subúrbios da cidade, era comum encontrar em lojas conduzidas por veteranos expoentes ou frequentadores dessa tradição de bailes compilações editadas em CDs que somavam esforços para inventariar e voluntariamente preservar a memória fragmentada e rarefeita dos bailes black.

Para exemplificar essa movimentação memorial, apresentamos hoje a íntegra da coletânea ‘Swing, Samba-Rock Brasil’, com produção executiva de Getúlio Rocha e seleção de repertório de Renato Bérgamo. Composta de 18 faixas, a compilação, comprada por mim, em 2001, em uma loja da Lapa conduzida por um ex-dj de bailes black da zona norte de São Paulo, reúne clássicos dos bailes de samba-rock, como ‘Não Adianta’, do Trio Mocotó, ‘Grilos da Vida’, do grupo Jardes, ‘Curtição’, de Guilherme Coutinho, e inusitados registros dos anos 1980 e 90, como ‘Reivindicando a Paz’, apropriação lírica do MC Escopeta sobre a harmonia e a melodia de ‘Estou Dez Anos Atrasado’, de Erasmo Carlos, e ‘Sinto Muito, Meu Velho’, do pioneiro rapper Pepeu, uma versão de ‘Hit The Road, Jack’, de Ray Charles.

Confira abaixo a lista de faixas reunidas em Swing, ‘Samba-Rock Brasil’.

Boa viagem, e até a próxima Quintessência.

1 – Grupo Pesquisa – Samba do Brasil (Itamar / Marcos Loris)
2 – Guilherme Coutinho – Curtição (Guilherme Coutinho / Walter Bandeira)
3 – Sócrates – Vamos Decidir (Sócrates)
4 – Trio Mocotó – Não Adianta (Fritz / Aloisio)
5 – Jardes – Grilos da Vida (Regis / Isaias)
6 – Mattoli e Os Guanabaras – Correndo ao Encontro Dela (Marco Mattoli)
7 – Sócrates – Só Que Deram Zero Pro Bedeu (Luis Wagner)
8 – Kaká do Asfalto – Samba de Balanço Nega (Kaká do Asfalto)
9 – Clube do Balanço – Vem Ká Nega (Marco Mattoli / Rodrigo Leão)
10 – Sal da Terra – Ponto de Encontro (Dora Lopes / Clayton Were)
11 – Fred – Abolição (Fred / Don Richard)
12 – Rino Mari – Estou Dez Anos Atrasado (Erasmo Carlos)
13 – Régis Clemente – Nego Vem Sambá (Régis Clemente)
14 – Pepeu – Cascão (Pepeu)
15 – Escopeta – Reivindicando a Paz (Carlos Brayan / Dr. Paul / Nadja)
16 – Maestro Cezinha – Swing do Malandro (Adilson E. Lima)
17 – Pepeu – Sinto Muito Meu Velho (Pepeu)
18 – Orquestra Tropical – Que Pena (Jorge Ben)