Érica Alves apresenta: Baphyphyna Radio Show #7

No primeiro episódio da Baphyphyna Radio Show em 2020, Henrique Monnerat traz uma mixtape com tema especial. BAPHYPHOÇA propõe um mergulho em uma dimensão importante de nossa musica: a fossa.

Considerando que o cancioneiro da MPB está repleto de sentimentos manipuladores e menos-valia como eu não consigo viver sem você, longe do meu domínio você vai de mal a pior, a pesquisa se debruça naquelas canções que podem funcionar como o antídoto desse terreno um tanto tóxico. Onde começou tudo isso e quais as consequências práticas em nossas maneiras de amar e sermos amados ouvindo canções que afirmam esses padrões tóxicos?

A BAPHYPHOÇA percorre a linha que vai de Waleska à Roberta Miranda. O bolero e a música de Cabo-Verde dialogam com esse processo. Essa tracklist acolhe esse discurso na intenção de transcendê-lo. Assim, a história da música brasileira parte do sofrimento com o selar do discurso de que amor só é bom se sofrer, eu não sou nada sem você, etc..; mas não se resume a ele. O questionamento e a transcendência desse discurso partem de um lugar que não é o da branquitude.

1) Roberta Miranda – São Tantas Coisas
2) Waleska – Minha Noite de Fossa
3) Toña La Negra – Y Sin Embargo Te Quiero
4) Joanna – Tô Fazendo Falta
5) Alcides Gerardi – Cabecinha no Ombro
6) Marina Lima – Hearts
7) Leci Brandão – Ombro Amigo
8) Maysa (Remix de Mano Oz) – Meu Mundo Caiu
9) Elizeth Cardoso – Eu Não Existo Sem Você
10) Tim Maia – Broken Heart
11) Elida Almeida – Mar Sagrado
12) Aracy de Almeida – Último Desejo
13) Sandra de Sá – Bye Bye Tristeza
14) Geovana – Quem Tem Carinho Me Leva
15) Jacqueline  Fortes – Pesca Ot Rume
16) Casas Populares da BR 232 – Minha Liberdade
17) Sandra de Sá, Marina Lima e Djavan – Slogan
18) Dolores Duran – Não Se Avexe Não
19) Deize Tigrona (feat. Badsista) – Vagabundo