Felipe Zangrandi apresenta: Trilhas #1 – A história do filho de José e Maria

A história do Filho de José e Maria, LP de Odair José com o conjunto Azimuth, você já conhece. Trabalho lançado em 1977 pelo selo RCA e que até hoje divide muito as opiniões, pelas polêmicas criadas após o seu lançamento. O que talvez você não saiba é que existe uma outra ordem lógica das canções deste trabalho, que talvez seja a primeira ópera rock brasileira. Uma ordem que faz sentido a toda essa história.

Eu assisti a alguns shows de Odair José direcionados a esse trabalho: dois show em viradas culturais distintas na cidade de São Paulo, e outros shows no Sesc, também em momentos diferentes. Prestando mais atenção na ordem das músicas nesses shows, que sempre foram diferentes da ordem do disco, e também na explicação faixa a faixa, dada pelo próprio Odair José, pude perceber a relação e chegar nesta conclusão.

Claro que antes de mais nada, eu ouvi várias vezes o disco, lendo as letras no encarte. Talvez a ordem que faça mais sentido, e que conte uma “historinha” do Filho de José e Maria seja:

01 – O Casamento
02 – Não me venda grilos
03 – só pra mim pra mais ninguém
04 – É assim
05 – Fora da realidade
06 – O sonho terminou
07 – O filho de José e Maria
08 – Nunca mais
09 – De volta as verdadeiras origens
10 – Que loucura

O casamento é uma canção nada indicada para se abrir um disco, diferente de nunca mais que teve inclusive um compacto simples na época. E este é um dos motivos pelos quaisna época a decisão foi gravar as músicas de uma forma mais aleatória, com um apelo mais comercial. Afinal, até então Odair José era um cantor/compositor muito famoso e que trazia uma boa renda às gravadoras.

Após o casamento vem o ciúmes, a separação, a guarda do filho e a loucura que envolve todo este processo. Entre a separação, bem detalhada na música título, podem ocorrer algumas confusões mentais. Ou seja, algumas situações e sentimentos podem andar em paralelo, por isso talvez umas duas ou três faixas podem não estar exatamente na ordem que foram pensadas.

A faixa “Nunca Mais”, que é a oitava parte da história, é como um coringa, pois pode entrar no final também, que é a superação do filho de José e Maria após todo o sofrimento que ele passou com a separação do casal.

Curta esta incrível experiência sonora.