GeraH apresenta: Música Estranha #3 – Cinema Caracol

Nesse EP falamos sobre as reedições dos disco Cinema (1985) e Caracol (1989) pelo selo paulista Discos Nada. Dois disco importantíssimos para a história do jazz de improviso e experimental brasileiro lançados nos anos 80 mas que pela genialidade seguem atuais.

Cinema é encabeçado Ronaldo Tapajós e Alex Meirelles com vocais de Annabel Albernaz e Tetê Sá. Ronaldo,  músico, compositor, poeta, escritor, roteirista e palestrante carioca, foi sempre envolvido com música experimental e vanguardista. Sua trajetória começa no mítico ano de 1968, quando, integrando a dupla Rô e Carlinhos, lançou um single emblemático contendo a música “O Gigante” – talvez a primeira bad trip brasileira gravada em vinil e uma crítica astuta aos hábitos “quadrados” da sociedade.

Em termos de som, Cinema é como mergulhar em um angústia intrigante de tentar entender como a relação entre a tecnologia disponível na época (1983-1984) e a instrumentação orgânica aconteceu. Uma dualidade entre sintetizadores / efeitos com percussão, instrumentos de sopro, piano e clarinete. Em outras palavras: como era a coexistência entre o sintético e o acústico. O paradoxo que seduz colecionadores, DJs e entusiastas da música brasileira do Anos 80 em todo o mundo.

 

Os anos 80 foi um momento ideal para a produção independente mas Caracol era tão anti-comercial que as coisas pareciam acontecer em um universo paralelo para a dupla João de Bruçó e R.H. Jackson.

João de Bruçó começou como baterista, tocando do jazz ao forró. O músico estudou folclore brasileiro, trabalhou em circos e escreveu trilhas para teatro, apresentações de dança e TV. Estudando percussão e o relacionamento entre dança e música, ele descobriu novos instrumentos e possibilidades. R.H. Jackson também começou como baterista e percussionista. Estudante de cinema, vídeo e composição eletrônica. Ele também criou trilhas sonoras e pesquisou danças folclóricas brasileiras e candomblé. Jack já era um ávido usuário de diversas inovações tecnológicas e foi uma das poucas pessoas no Brasil na década de 1980 que dominou a programação de computadores, samples e sequenciadores.

Caracol foi gravado entre 1988 e 1989 com João como o responsável pela percussão, acordeão e uma série de objetos, como um vaso de cobre com água, sementes, cascos de animais, molas, sinos, mármores e uma caneca de metal, além de piano e um clarinete de brinquedo. Jack cuidou da programação eletrônica, samplers, tratamentos de som, sintetizadores, subtrações e guitarras. Além de tudo isso, ambos estão presentes nos vocais.

Esta é a primeira vez que Caracol é relançado, depois que a pequena primeira prensagem esgotou décadas atrás e contém duas faixas extras e inéditas, gravadas durante as sessões de gravação originais.

Fique ligado, os dois estão previstos para lançamento em dezembro.

Mais informações no Bandcamp da Discos Nada: discosnada.bandcamp.com

Tracklist Música Estranha #03 – Cinema Caracol

1 João de Bruço / R.H. Jackson – Here We Go Again
2 Cinema – Ciência
3 João de Bruço / R.H. Jackson – Instante de Gelo
4 Cinema – Não Imagino
5 João de Bruço / R.H. Jackson – Butterflies (Bonus Track)
6 Cinema – Pallazo Uno (Bonus Track)
7 Priscilla Ermel – Sete Quedas
8 Zé Eduardo Nazário – Prá Pensar / Prá Sentir e Contar
9 Strange Behaviour – Fai Yen (Strange Behaviour’s Muay Thai Edit)
10 Anna – Systems Breaking Down (Original Mix)
11 Sea Bee – Stoppa
12 Tzusing – Nature is Not Created
13 May East – Maraka
14 Svend Undseth – Aquilla Aquela

https://soundcloud.com/gerahmusic